quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Sentir...


   
 Há situações que nos deixam realmente fora do controle. Contas, chefe impaciente, problemas com o carro (justamente quando mais precisa, igual ao gás de cozinha), tudo isso nos remete a lembrar apenas do nosso corrido cotidiano e de todas as coisas que nos fazem seres humanos. A oração, por vezes encaixada entre um problema e outro, torna-se algo singelo e sem importância na nossa agenda. A busca pelo criador fica sempre no "se der tempo...", e a vida segue, cheia de percalços e atropelos, com aquela sensação de que falta algo para dar certo. Nesses momentos de agonia, sempre lembramos de momentos em que tudo corria bem, mas esquecemos de lembrar o principal: O que fazia com que tudo desse certo? Era minha competência em administrar os problemas cotidianos, ou havia algo mais...
Somos senhores de si e dos outros, na verdade, boa parte do nosso dia esquecemos até que temos SENHOR. Passamos, literalmente, pela vida e nem percebemos o quanto recebemos gratuitamente por aquele que nos ama acima de tudo. Todos aqueles problemas resolvidos por uma idéia genial, ou por uma atitude impensada, porém eficaz, mas somos donos do nosso destino...
Um grito clama no silêncio do nosso perturbado dia. Quem é? O que quer? Ouço tão baixinho, parece que vem de dentro de mim. Tem muito ruído, gente gritando, criança chorando, e essa voz que me perturba ainda mais a me consumir a ansiedade. E continuamos vivendo, é tão baixinha a voz que me fala, para que dar importância?!
Um dia, quando não há nada para resolver ou se divertir, resolvo parar e tentar ouvir essa voz perturbadora e insistente. Meus ouvidos me enganam e apuro ainda mais minha atenção para compreender o que me fala.
De tanto tentar me canso, fecho os olhos e sem querer faço uma oração: "Meu Deus, dai-me um alívio.."
Eis que de repente consigo compreender nitidamente aquela voz que me diz:
"Filho amado, como é difícil me fazer compreender em tua vida. Estive a todo momento tentando aliviar tuas dores, te dando conforto e atenção. Tentei te reanimar com idéias que te aliviassem os problemas, mas insistia em me ignorar. Nunca quis tua infelicidade, nem por um segundo te ofertei angústia ou dor, mas você sempre teimoso caminhava com toda essa insegurança que te consome a alma. Sinto sua falta e te espero todos os dias no momento em que está mais cansado. Quero te dar carinho e alento, quero cuidar de ti e te fazer feliz. Sede meu filho, pois quero ser seu Pai.
Assinado: DEUS "



Boanerges Teixeira