sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Valer à pena (Mensagem Original do blog "Caminhos que vão além", também do nosso grupo)





Ah meu fi, se você visse o que eu vejo, da forma que eu vejo. Se você pudesse sentir cheiro da vida, ver as paia balançando e abanano as energia ruim pra longe, jogando fora as falta de amor e caridade. Onde tem natureza meu fi, num tem mardade, num tem pessoa querendo se vingar, num tem gente matano gente. As força da natureza estão sempre aí, purificando e transformano, levando coisa ruim e trazendo as bença de Deus.
Sempre que meu fi tiver de agonia, senta debaixo de um pé de pau, onde num tenha zuada de gente, de veículo, apenas o cantarolar dos passarim, aprende a ouvir a árvore respirando, os beija-flor levano e trazeno vida, os pequeno bicho se alimentano de fruta. Ouvi tudo, num pensa em mais nada, leva tua mente até a fonte de todas essas coisa maravilhosa, vira parte desse bunito ciclo de vida. E quando ocê voltar a realidade, a vida do dia a dia, vai perceber quanto se arrelia cum tão pouco, num dá valor as verdadeiras coisa que tem valor, num aproveita um bom abraço, nem um aperto de mão preocupado, nem um beijo de boa sorte.
É meu fi, vê a vida como nois vê num pe dificir, dificir é passar a vida tentando se destruir e todo mundo vive tentano. Nem toda briga vale a pena fi, aliás praticamente nenhuma vale, ficá nas graças de teu Pai criador de todas as coisa, isso sim vale muito a pena, alimentar um faminto, consolar uma viúva, visitar um homem de má vida e lhe dá a graça da segunda chance. Amar é o único segredo meu fi, num busca nada além de amor, todo o resto vira nada diante dessa dádiva. Mas há de despertar novamente o natural, o braço justo do Criador vai de novo afastar os mau e elevar os bom, ele nunca esquece seus fi querido, sua obra prima, mas ele também é justo, e nada vai aplacar seu senso de justiça. Cuida meu fi enquanto ainda dá tempo, pois há de escurecer e num amanhecer mais, ai já vai ser muito tarde pra se arrepender. 
Fica na paz, e louvado seja nosso senhor Jesus Cristo.


Pai Joaquim

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Uma dissertação sobre a vida

Um sopro de amor, e fez-se o homem, uma lágrima de compaixão e fez-se a mulher. Muito pouco se sabe sobre a origem, mas esse pouco é o infinito quando nos deslumbramos com tamanha demonstração de amor e confiança. Se a vida fez-se em sete dias, não importa, mas tinha ali um dedo de Pai, um olhar carinhoso a iluminar aquele lugar tão deserto e sombrio chamado Terra. Nem com mil palavras seríamos capazes de descrever o zelo, o cuidado, a harmonia e a perfeição da criação. Nem com muito estudo seremos capazes de compreender porque "nós". Muitas vezes buscamos conhecer a morte durante a vida, mas sequer sabemos viver. Lutamos contra nossos instintos animais e nos mostramos sábios e cultos de vez em quando, mas nem de longe chegamos próximo da centelha inicial. E assim seguimos crescendo, nem sempre respeitando o velho ciclo, queremos pular etapas, parar outras, esticar um pouco outra, mas ignorantes que somos não reconhecemos o verdadeiro e mais puro presente que já recebemos: o dom da vida.

Por Boanerges Teixeira