terça-feira, 3 de setembro de 2013

A Luta pela Vida (Mensagem recebida em 03/09/13)


Luta diária.
Luta perdida.
Luta vencida.
E o espelho a me acusar friamente, ensimesmando-se na cólera que arrebatou-me em espírito.
Fujo, me escondo, me recomponho, mas minha mente insiste em refletir aquela imagem amarga que tivera.
Amar, sorrir, crescer, como mudar o que me reservou o cruel algoz da minha jornada: O destino.
Fui muito pouco, senti demais em delirios, sorri demais em luxúrias, sempre sem culpa.
Pegou-me então meu algoz mais uma peça. Fui arrebatado da minha infeliz colocação neste plano e me vi enlameado por entre criaturas de formas indescritíveis.
Choro por dentro, grito diariamente, suplico uma nova chance de morrer em vida, não em espírito.
E porque retive tamanha ignorância perdi a única e verdadeira chance de ladear o mundo dos justos.
Descobri tardiamente quão difícil é achar que comando minha eternidade.
Descobri a Deus...

domingo, 1 de setembro de 2013

O Último Aviso - Clama o Senhor


Mansa e nas sombras caminha a escuridão que vem para a humanidade. Clamam inocentes pela vida, sem conhecerem a verdade, que o caminho mais curto e o mais tranquilo é longe dos maiores sofrimentos. Teu Pai misericordioso já vinha vos avisando sobre visões, profecias, sonhos e em todas as formas possíveis, para que antecipassem seu reconhecimento perante a ele, e se arrependessem de seus pecados. Luz forte se aproxima do ambiente terreno, clara e feroz virá dando início a tempos difíceis no vosso plano. Toda a inteligência humana em antecipações e providências não serão suficientes. Para que muitos não pereçam a este grande início da retomada do vosso Pai à excelência do vosso plano. Caminham meus filhos cegos pela maldade, ódio, e pela vontade de igualar-se a teu Pai em grandeza. Vos deixo grande e final alerta sobre aqueles dias que são sete. Começarão meus filhos a sentirem fortes dores espirituais, estas refletindo no próprio corpo. São as dores que meu filho único sentiu dilacerando suas carnes. Igualarse-ão aqueles três tempos ao começo de tudo, pois vossa inteligência não será mais capaz de evoluir diante do caos e desespero. Fome, sede e frio, são os sofrimentos de meu filho, e agora os vossos. A luz que ilumina vosso plano tornarse-á grande vilão, será ela o desespero e o começo do fim para o início do novo tempo. Magnetismo e eletricidade entrarão em choque, será na terra um grande silêncio e tudo que vedes por criação do homem, será destruído pela natureza que os ilumina. Não cessem de orar para sedes firmes às tentações malignas, elas se intensificarão à chegada da grande luz. Seguirão todos orientados pelas criações de vossa inteligência humana a grandes montes, mas muitos não terão tempo, antes que não haja mais orientação para onde devem seguir. As guerras dissiparão os laços e pactos feitos por todas as nações. E sobre um só comando se verá o mundo, antes que acabe o primeiro dos três tempos. A grande coroa cristã se abalará pelo ataque do anti-cristo, que já profere palavras que encantam os corações de meus filhos, e da glória que para vós guardei. Sangue e lágrimas serão diários, e o mundo será habitado por um terço de impuros e mais de um meio do exército dos meus escolhidos, que chamarei ao alerta em tão breve. Marcharão estendendo a mão a quem ainda desejar a salvação. Chorarão mães por seus pequeninos, pois eu os preservarei do grande mal. Outros tantos espantarão o mundo com a sabedoria advinda do meu espírito. Eu sou o Deus de todas as coisas, e vosso tempo não mais vos pertence, horas e dias se tornarão longos, e lastimarão a vida na terra. Aos meus queridos filhos peço que persevereis na oração, para que as tentações não os atraia para fora de vossas moradas, quando eu os ordenei que se preservassem. Cada família unida em meu nome, será seio de segurança e emanará para o resto do mundo um pouco de esperança, em meio ao desespero por toda a parte da terra. Olhai vosso céu, observai a morada que vos dei, nada resta nela das maravilhas que planejei, para que vossos olhos vissem. Não sou eu cruel ditador, e meu braço não oprime meus pequeninos. A vós ofereço o sofrimento para livrardes do tormento eterno. Dai as mãos ó terra inteira, pede a mim e vos darei. Sou teu Pai, teu criador e clamo que voltem ao meu seio. Graças e louvores se dêem a todo momento, ao santíssimo e digníssimo sacramento.