quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Palavras de amor

Eis-me aqui, nada posso contra vossa vontade, mas posso muito com o vosso amor. Intercedo hoje, em oração a todos os cristãos e não cristãos perseguidos pelo orgulho das guerras, pela tirania de poucos, pela soberba de muitos. Ao Pai entrego essas almas sofridas, arrancadas de sua caminhada pela falta de compaixão. Que a misericórdia de Jesus Cristo, possa abrandar vossos líderes, cessar os ataques aos iguais, cessar a destruição das famílias. Tempos de muita mudança, a vossa Terra já sofre as dores de parto, e a ira de teu Pai cairá como raio de infinita grandeza sobre o mal. Já basta de sofrimentos alheios as suas escolhas, choro por tudo que vejo em vosso caminho, oro diariamente para que vossas angústias sejam consoladas pelo meu imaculado coração. Confiem em mim e eu vos entregarei ao Pai, em segurança, em paz. Rezem muito, dobrem-se diante da cruz para que de ti sejam afastadas todas as pestes que se aproximam, clamam a misericórdia de Deus Pai. E os poucos sofrimentos que te restarem, resigne-se, pois mais sofreu teu Senhor diante do Calvário. Busquem sempre oferecer vossas orações ao teu próximo, mais terás em recompensa própria. A luz que sentes irradiar em minhas palavras, é o restinho de amor que ainda tens em teu coração, não o percas. Essa ainda é a pequenina ponte que te liga aos céus. Que a graça do Pai possa te guiar e iluminar sempre. A paz esteja convosco.


Posted via Blogaway

domingo, 24 de agosto de 2014

Foi por você...

Mais uma vez sangra meu coração, essas chagas são mais dolorosas que os cravos de outrora. Sinto dolorosamente o clamor dos gemidos de meus queridos, choro com cada um deles a falta de compaixão por seus iguais. Um grito faminto flagela-me a santidade, fere-me mais uma vez as carnes, incomoda-me profundamente a alma. Quanto já implorei para que se voltassem ao meu sagrado coração, quanto já ensinei para que abandonassem os instintos malditos que lhes impõe a carne. O caminho é único e reto, sem desvios, mas devaneios de vossa mente imatura sequer compreendem minhas palavras. Sofro por tudo que se aproxima de vós, sempre decorrente de tuas escolhas. Sim, poderia eu furtar-lhe o livre arbítrio, pois tudo que se vê se curva diante de mim, menos minha obra mais perfeita. Mas não,  não quero desistir de vós, sinto ainda que fraco, o sinal da minha misericórdia em vossos corações. Ainda há tempo, mesmo que pouco. Não que o tempo também não me pertença, mas prorrogo todas as horas em favor do meu amor por vós. Mas deixo-vos a advertência, minha justiça é maior que minha misericórdia, e aos sofredores dediquei todo os céus e a terra. A todos que foram injustiçados por querer o bem, por querer sempre a minha vontade acima da dele, por se preocupar mais com seu próximo que consigo, por disseminar o amor como única voz na imensidão do universo. A esses queridos coloco a minha justiça acima de toda a criação, e seu sofrimento virá a termo. A luz de minha divindade ilumina todos,principalmente aos que hoje não enxergam o mau que fazem a toda uma raça. Tentarei trazer-lhes de volta, enquanto os justos suportarem a dor. E esse tempo tem esse limite, pois nada além de suas forças posso permitir que sofram. Amo-vos demais, e mais uma vez suplico, voltem a mim, muito pouca verdade vivenciam em seus dias, arrependam-se profundamente das vezes que me feriram teus irmãos. Sintam o meu amor em cada respiração, em cada batida de vossos corações. Lembrem-se sempre: eu sou vocês, e vocês tem a meu Pai.


Posted via Blogaway