terça-feira, 25 de outubro de 2016

Divagando sobre o Conhecimento

Até onde nossa arrogância mortal pretende ir? Porque desejamos tanto conhecer o indescritivelmente puro? Estamos constantemente fugindo de nossas raízes humanas, somos as novas "Evas" dos tempos modernos. Vivemos tentando comer do "fruto proibido", sem medir esforços, consequências ou mesmo calculando riscos. Ao homem foi dado o dom da inteligência sobre a criação, foi lhe dado discernimento para escolher o caminho mais acertado. Mas será que não há limites para esta busca? Já diziam nossos avós: "Tudo tem limites", ou então "Tudo demais é veneno", avisos simplórios de gente simples, modesta, mas que em seu íntimo sabe que há uma barreira que não se deve ultrapassar. Se vives contemplando a benção, porque arriscar a maldição? Será assim tão ruim viver em um caminho especialmente feito para nós, com amor e carinho? Não irmãos, não é ruim, somos infinitamente inconformados com o apenas " bom ", queremos sempre o melhor, e mais, mais, mais... fatalmente nos vemos tentando pular essa barreira do conhecimento e caindo do outro lado, machucando-se e sendo arremessado de volta de onde não deveríamos ter saído. Vale a reflexão para hoje, não tem haver com conformismo, tem haver com limitar-se ao imperfeito, somos imperfeitos, alguém duvida? Como o imperfeito entenderá as nuances do primeiro, do único absolutamente perfeito, daquele que gerou o ar que corre em teus pulmões. Jamais ocorrerá, e não tendo dúvida da perfeição do Senhor de todas as coisas, sabes bem que no instante que conseguires ultrapassar essa barreira, serás derrubado como se sopra um pena ao vento. Perderá a oportunidade de mais uma vez conviver com o perfeito, não ser ele. Lute contra essas amarras que te empurram no abismo da imoralidade científica e filosófica, sufoque esse sentimento de adulteração de tuas limitações, não é ruim ser limitado, ruim é querer ultrapassar limites que naturalmente te farão mostrar-se ínfimo diante das coisas celestiais. És amado justamente por ser pequeno, grandioso apenas aquele que te deu a vida.

Pai Boanerges de Ogum